.: O Silêncio da Cidade, por Pablo Capistrano

Publicado no site www.pablocapistrano.com.br – 15/jan/2010

Natal está entrando em uma era de silêncio político ou é só impressão?
O bom de voltar para Natal depois de viajar para uma cidade como Salvador é que você acha o trânsito daqui ótimo, o clima agradável, os shoppings vazios e os níveis de violência urbana interioranos.
Natal é uma cidade formada por matutos cosmopolitas, por sertanejos que moram na praia e por pessoas que tem suas origens fincadas em outros lugares. Nossa cidade anda crescendo e se você chegou por aqui esses dias é bom saber que estamos vivendo uma desconcertante metamorfose, muito mais intensa e impactante do que a metamorfose que Salvador ou Recife enfrentaram nos últimos anos. Isso porque Recife e Salvador já eram pólos culturais e econômicos desde a época da colônia e Natal… bem… Natal era aquela fazenda iluminada, habitada por quatro ou cinco famílias, isolada por um sudário de areia.
Era! Agora, Natal explodiu em um tempo tão curto, que deixou sem norte uma ou duas gerações que dormiram na aldeia e acordaram na metrópole.
Apesar disso a cidade anda meio silenciosa.
Não falo sobre os motores dos carros, o matraquear das bocas humanas ou zunido infernal das praças de alimentação dos shoppings centers. Não falo do silêncio acústico, tão precioso para aqueles que sabem o real sentido da palavra paz.
Falo do misterioso silêncio político que contaminou nossa urbe em 2009.
Depois de um ano de mandato da prefeita Micarla de Sousa há uma estranha sensação de estagnação no ar, como se alma da cidade, a despeito do crescimento do seu corpo, estivesse em hibernação.
Não sei se você lembra, mas na gestão anterior, Natal e suas demandas entraram na pauta cotidiana dos cidadãos. As construções em Ponta Negra, o transporte público, a presença do turismo estrangeiro, a saúde, a produção artística da cidade… naquele tempo se ouvia sobre Natal nas ruas de Natal.
O ex-prefeito Carlos Eduardo conseguiu (para o bem ou para o mal) em sua gestão, embater-se frontalmente com três dos mais poderosos setores econômicos da cidade, os Hospitais, as empresas de transporte público e as construtoras. Esses embates mobilizaram a opinião pública, ajudando a construir um espaço para se debater publicamente o tipo de cidade que os natalenses gostariam de construir.
A questão da construção de edifícios ao lado do Morro do Careca, o problema do Hotel da BRA na via costeira, as disputas entre a bancada das empresas de ônibus e os vereadores que apoiavam o prefeito no plenário da Câmara Municipal, a eterna crise da secretaria de saúde, as intermináveis discussões nas rodas intelectuais sobre a programação do ENE. Carlos Eduardo foi um prefeito que não tinha medo de tomar posições de confronto.
A suavidade adocicada com que a prefeita Micarla de Sousa trata os setores que monopolizam o capital na cidade nos afasta daquele tempo de discussão e de confronto. A gestão Micarla esse ano que passou, parece ter oscilando entre o vacilo em relação às pressões inevitáveis que qualquer gestor sofre e a covardia política de manter posições firmes. Hoje, a cidade parece vier a anestesia preguiçosa dos conformados.
Micarla é doce, fala macio, mas aparentemente tem dificuldade de impor uma marca de comando sobre o aglomerado discrepante de forças políticas que tomaram conta da sua gestão. Talvez por isso, seu primeiro ano de governo tenha sido assim… tão evanescente, tão indefinido, tão desconcertantemente silencioso.

2 responses to this post.

  1. Posted by rejanelfranco on 29/01/2010 at 19:26

    A Prefeita Micarla até há bem pouco parecia anestesiada talvez por inexperiência político-administrativa, talvez porque sua maneira doce e suave de ser a impedisse de tomar decisões mais contundentes, talvez porque seus opositores a tivessem engessado impedindo-a de governar, não sei…Agora desperta e toma decisões que surpreendem os Natalenses como a liberação das obras de construções que estavam embargadas exatamente para preservar a beleza da paisagem de Natal e principalmente da orla de Ponta Negra. É lamentável, é triste que isto esteja acontecendo Natal e os Natalenses não merecem isto. Não sou Natalense, sou Gaúcha mas resido em Ponta Negra há dez anos, onde aliás a Prefeita também reside e É NATALENSE. Amo Natal e a adotei como minha cidade.Como eleitora, meu voto ajudou a eleger a Prefeita Micarla, estou tremendamente decepcionada mas sou otimista e espero que sejam encontradas outras soluções que não agridam a paisagem de Natal e principalmente a beleza de Ponta Negra.

  2. Posted by Yuno Silva on 02/02/2010 at 18:13

    oi Rejane, realmente é revoltante o descaso com a cidade. Construir prédios ao lado do Morro do Careca é jogar contra o desenvolvimento do próprio turismo.Estamos junto!

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: