Archive for the ‘esgoto’ Category

Roberto Freire: cratera gera transtornos na Zona Sul

Repórter: Luan Xavier
Foto: Ana Amaral
Buraco aberto por causa de problemas na tubulação causaram lentidão
As antigas tubulações de água e esgoto de Natal continuam causando transtornos à população. Ontem, uma cratera se abriu por volta das 7h30 na Avenida Roberto Freire, no conjunto Cidade Jardim, Zona Sul. O buraco se abriu devido ao rompimento da tubulação de abastecimento de água e ocupou metade da pista, deixando o trânsito engarrafado durante toda a manhã.
Por volta das 8h30, uma equipe da Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) esteve no local para fazer a vistoria na buraco. Segundo o operador de distribuição Carlos Pacheco, a tubulação se rompeu e provocou e fez com que o asfalto cedesse. O procedimento seria a substituição da tubulação e o fechamento da cratera, que media 4m de extensão por 2m de profundidade.
A fila de carros se estendia nas primeiras horas da manhã desde o local da cratera até as proximidades do Supermercado Extra de Ponta Negra. A assessoria de imprensa da empresa informou que o buraco foi fechado ainda no fim da manhã de ontem e o recapeamento asfáltico da via estava previsto para o período vespertino.
Anúncios

Rede de esgoto estoura em Ponta Negra e dejetos escoam para praia

Foto: Adriano Abreu
Dejetos da rede de esgoto estão escoando para a praia
O vazamento numa rede de esgotos na rua Francisco Gurgel, em Ponta Negra, nas proximidades do Hotel Esmeralda, levou sujeira e dejetos até a areia da praia. O esgoto corria a céu aberto, desde as primeiras horas da manhã, afugentando turistas e prejudicando os comerciantes do local. O transbordamento ocorre dias depois da fiscalização da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb)
A tampa de uma das saídas da tubulação da Caern quebrou, provocando o vazamento de esgoto. Para evitar a poluição das águas, alguns barraqueiros escavarm uma vala na areia, represando as águas servidas que desciam pela rua acima da escadaria até o local de banho. Uma espécie de mini-lagoa de podridão se formou a poucos metros das cadeiras e guarda-sóis. Uma língua negra se formou no local.
“Chamamos a Caern, mas até chegarem a gente precisa dar um jeito, é nosso local de trabalho que está sendo agredido”, disse Luiz Antonio Correia, proprietário do ponto 45, enquanto escavava a areia para conter os dejetos.
Segundo o barraqueiro Adelson Cavalcanti, o rompimento de galerias e bocas de lobo não é freqüente nesta área da praia, ao contrário do que acontece nas proximidades do Morro do Careca. Para atrair os freqüentadores de volta à barraca, Adécio gastou cerca de dez vasilhames de desinfetante para lavar o calçadão próximo ao quiosque e a areia da praia. “O mau cheiro espanta todo mundo e a gente sobrevive disso”, justifica.
No sábado (17), uma fiscalização da Semurb identificou dois outros pontos de poluição em Ponta Negra. Um deles próximo ao Morro do Careca e que há muito tempo vem sendo denunciado pela TRIBUNA DO NORTE. Segundo o técnico fiscal da Semurb, Ivan Lopes, a tubulação por onde vazava o esgoto no sábado, 17, era da Companhia de Águas e Esgotos do RN (Caern), que foi autuada e multada. O valor da multa varia entre R$ 300 e R$ 1.600.
O comerciante paulista Luis Bessa, de férias em Natal, lamentou a situação da praia. “É no mínimo desconfortante se deparar com dejetos. Natal é uma cidade turística e seu principal cartão postal nada em esgoto? Onde estão os governantes que deixam isso acontecer?”, questionou.
Segundo informações da assessoria de imprensa da Caern, o acumulo de lixo obstruiu a rede de esgoto. O vazamento foi contido por volta das 11h da manhã.

Praias impróprias prejudicam Turismo

Foto: Adriano Abreu
A maioria das praias urbanas de Natal está imprópria para banho, de acordo com o mais recente monitoramento da balneabilidade das praias da Grande Natal, dentro do Programa Água Azul, que é executado em parceria com instituições públicas do Estado que cuidam do meio ambiente e recursos hídricos. Pela capital potiguar ser um dos cinco principais destinos turísticos do país, a Associação Brasileira da Indústria Hoteleira (ABIH) se preocupa com a possibilidade de o problema afetar negativamente o setor, fazendo com que o fluxo de visitantes diminua, uma vez que a cidade é mostrada como um local de sol e belas praias.
Das 30 praias monitoradas pelo Programa Água Azul, oito estão com água imprópria para banhoSegundo dados do mais recente monitoramento da balneabilidade das praias da Grande Natal, das 30 praias onde é feito o controle no estado, oito estão impróprias, sendo todas na capital. Os locais nos quais as pessoas não devem tomar banho são Ponta Negra (acesso principal), Mãe Luíza, Miami, Areia Preta, Praia do Meio, Artistas, Forte e Redinha. No relatório anterior, a praia de Ponta Negra encontrava-se própria para o banho.
De acordo com o presidente da Associação Brasileira da Indústria Hoteleira (ABIH) no RN, Enrico Fermi, a poluição nas praias natalenses ainda não tem se refletido na captação de turistas, uma vez que as pessoas só ficam cientes da questão quando já estão em Natal. Entretanto, ele diz que as pessoas que visitam Natal reclamam bastante ao se deparar com praias impróprias para o banho e ao voltar para as cidades de origem, elas divulgam o fato, o que pode fazer com que possíveis turistas deixem de vir para o Estado.
Para Fermi, essa questão deve ser resolvida o mais rápido possível e o saneamento tem que ser encarado como prioridade, assim como a infraestrutura. Ele cita o projeto do emissário submarino, que deverá levar o esgoto da Zona Sul de Natal até alto-mar, como uma possível solução, mas lamenta que o processo de sua implantação seja demorado, por precisar cumprir diversos trâmites. “O processo da democracia é trabalhoso, mas é imprescindível que seja encontrada uma solução rapidamente”, conclui.
Caern
De acordo com a Caern é realizada uma fiscalização das áreas litorâneas de Natal e não foram constatados vazamentos de esgotos que tenham gerado poluição nas praias da capital identificadas como impróprias. Os técnicos da Caern atribuem o comprometimento da balneabilidade ao uso indevido das galerias de água pluvial pelos usuários, que fazem ligações clandestinas de esgotos, gerando poluição nas praias.
Embora conhecidas as causas do problema, a Companhia aponta dificuldades para solucioná-lo. “A Caern não tem poder de polícia nem autorização para entrar nas residências e punir quem liga esgoto clandestinamente ou lança as águas servidas nas vias públicas”, explica o gerente da Regional Natal Sul da Caern, Lamarcos Teixeira. Segundo ele, a justificativa de que as pessoas fazem ligação clandestina pela falta de saneamento não procede. Isso porque em todas as praias onde foi detectado alto índice de poluição, a Caern possui sistema de esgotamento funcionando normalmente.
Uma iniciativa para evitar o transbordamento de esgotos no trecho da orla que fica perto de Mãe Luiza é a readequação da Estação Elevatória de Esgotos do Relógio do Sol, que coleta os esgotos do bairro. Mãe Luíza já teve 100% da rede de esgotos assentada, faltando apenas o final dos testes e início das operações da Estação de Tratamento de Esgotos do Baldo para interligar essa rede. Até lá, a Companhia pede que a população denuncie os casos de ligações clandestinas de esgotos, evitando que a balneabilidade daquele trecho fique comprometida.
Em Ponta Negra, rotina é a mesma
Uma das praias consideradas impróprias para o banho é Ponta Negra, cartão postal de Natal. Na manhã de ontem, apesar da placa posicionada no calçadão, bem próximo ao principal acesso à praia, indicar a situação da água, muitas pessoas entravam no mar, aparente sem se importar com a poluição no local.
Comerciantes e prestadores de serviço que atuam no local afirmam que poucas pessoas notam a sinalização a respeito da qualidade da água e os visitantes não costumam se queixar do problema. “Tem turista que reclama da sujeira na areia, mas da qualidade da água, nunca ouvi queixa. Acredito que a maioria nem perceba a sinalização”, conta o taxista Ivan Ângelo, que trabalha há 10 anos na praia.
Foi o caso da artista plástica de São Paulo, Zenaide Herlein, que demonstrou surpresa ao ser questionada se não a preocupava a água do local estar classificada como imprópria. “Se eu tivesse percebido a placa com a indicação, certamente não teria ficado na praia. Estou com duas crianças e uma delas está apresentando alergia, que pode até ter sido causada pela água”, lamenta.
Já Maria Núbia Souza estava atenta e optou por nem ficar na areia por muito tempo. A natalense, que hoje mora em Brasília, diz ser um absurdo as autoridades deixarem Ponta Negra ficar nesse estado. “O jeito é procurar outra opção de lazer, que não ofereça risco à saúde da minha família. Vou tomar banho de ducha, agora”, brinca, ao mesmo tempo em que demonstra indignação com o fato.

ETE do Baldo e Emissário Submarino podem reduzir poluição nas praias

Falta de saneamento básico é um dos principais fatores para a poluição frequente na praia de Ponta Negra, próximo ao Morro do Careca

Fatores naturais contribuem para que as praias urbanas de Natal sejam consideradas “as mais limpas do Brasil”, segundo o geólogo Ronaldo Fernandes Diniz, mesmo considerando – “sem muita dificuldade” – que as praias “seriam 100% próprias para o banho” se a cidade fosse toda saneada e esse serviço funcionasse sem nenhum problema.

Como professor do Instituto Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do Norte (IFRN), Ronaldo Diniz é um dos responsáveis pelo monitoramento da balneabilidade das praias da Grande Natal, dentro do Programa Água Azul, que é executado em parceria, desde 2001, com instituições públicas do Estado que cuidam do meio ambiente e recursos hídricos.

Diniz reconhece que a deficiência dos serviços de saneamento básico não ocorre só em Natal, é um problema do Brasil. Ele acha que a partir da entrada em funcionamento da estação de tratamento do Baldo e da construção do emissário submarino em Ponta Negra alguma coisa possa melhorar na questão da balneabilidade das praias da cidade.

Mesmo o governo tendo anunciado que até o fim do ano 60% da área de Natal estará saneada, ele ainda acha “muito pouco”. Apesar disso, Diniz afirma que as praias de Natal são tidas como mais limpas do que as praias de Fortaleza (CE) e Recife (PE), por exemplo, primeiro, porque as correntes costeiras de sudeste, comum no litoral do Rio Grande do Norte, contribuem “para diluir” os dejetos que são jogados nas praias urbanas da capital potiguar.

Segundo Diniz, existem outras variáveis que explicam o fato de uma semana uma praia estar imprópria para o banho e em outras não, como as chuvas. “Quando chove um dia, todos os dejetos são carreados para as praias”, disse ele, mas se chove mais de dois ou três dias, a cidade fica limpa e não polui mais as praias.

Outro exemplo, dado por ele, ocorreu na semana passada, quando sete praias da Grande Natal, estavam impróprias para o banho, porque apareceu uma corrente costeira, evitando a diluição dos dejetos, que terminaram “prensados” entre o mar e as praias. Outro fator que contribui para a poluição da orla, segundo ele, são as ligações clandestinas de esgotos, que ocorrem em praias, como Ponta Negra, sobretudo no Morro do Careca.

Agora, o fator que mais contribui para que haja a diluição dos dejetos, informou Diniz, porque predomina no litoral ao Sul e Norte de Natal são as correntes de sudeste. Já em Fortaleza, diz ele, ocorre justamente o contrário, as correntes que vêm do norte não deixam a sujeira sair da orla da capital cearense.

A TRIBUNA DO NORTE tentou falar com a direção da Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern), mas não conseguiu. A assessoria de imprensa informou que dentro de um mês, possivelmente, a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do Baldo deve entrar em funcionamento. Só então, as ligações da rede de domiciliar de esgoto deve ser ligada à rede central de saneamento básico, em bairros como Candelária, Mãe Luiza e Nova Descoberta.

Banhistas não se importam com avisos

Mesmo com o aviso de que a praia estava imprópria para banho, algumas pessoas não se incomodaram com isso. No fim da tarde de ontem, pelo menos 11 surfistas aproveitavam as ondas da praia de Miami, onde existe uma placa do Projeto Água Viva, informando que a praia está contaminada.

Outras pessoas tomavam banho na praia de Miami até mesmo por desatenção, como a turista Glória Nelo Silva, que estava em companhia de uma irmã e os dois filhos delas. “Não prestei atenção, se tivesse visto não estaria tomando banho”, afirmou ela, que agora disse que vai para Ponta Negra.

Já a dona de um quiosque na praia de Miami, Francisca Soares Hilário, disse que “se houvesse cuidado com o esgoto, não havia isso aqui”. Assim mesmo, ela disse que os banhistas “não estão nem aí” com os avisos de que a praia “não presta pra tomar banho”.

Antônio Marcos da Silva é acreano e há três meses está fazendo um curso de aperfeiçoamento no Corpo de Bombeiros em Natal. Hospedado num hotel da Praia do Meio, ele disse que já tinha visto o aviso de praia “imprópria” para banho, por isso, só aproveita a praia para caminhar no calçadão. “Quando está assim, não tomo banho de jeito nenhum”.

Hélio Andrade é morador de um dos grandes edifícios de Areia Preta. “Aqui quem desce mais para tomar banho e jogar bola na praia é o pessoal de Mãe Luiza”, afirmou ele, acrescentando que a classe média que reside nesse complexo de apartamentos de alto luxo “têm suas casas de praia em Muriu, Pirangi” e outras praias fora do perímetro urbano de Natal, onde passam o verão ou os fins de semana.

.: Semurb encontra quatro ligações clandestinas de esgoto em Ponta Negra

NOMINUTO.COM – 14/jan/2010
Repórter: Isabela Santos
Foto: Vlademir Alexandre

Descoberta foi feita apenas na primeira manhã da fiscalização, que deve se estender até fevereiro. Conexões ilegais levam esgotos à beira da praia.

Ponta Negra foi escolhida por ser um dos destinos preferidos de veranistas.

Quatro esgotos clandestinos foram identificados próximos ao Morro do Careca na manhã desta quinta-feira (14), durante a primeira fiscalização da Operação Ponta Negra, que também pretende vistoriar caixas de gordura de estabelecimentos do bairro.

A descoberta da secretaria foi feita já na primeira manhã da fiscalização, que deve se estender até fevereiro. Todos os casos dizem respeito a ligações ilegais de esgoto à rede de galerias de águas pluviais, que vão desaguar na areia de Ponta Negra.

A informação foi dada pela chefe de Defesa de Divisão de Água, Ar e Atmosfera da Semurb, Rejane Alves, que acompanha a operação junto com fiscais da Coordenadoria de Vigilância em Saúde (Covisa) e Agência Reguladora de Serviços de Saneamento Básico (Arsban), Secretaria Municipal de Obras Públicas (Semop) e Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern)

Três das ligações clandestinas foram tamponadas assim que foram encontradas. O quarto ponto terá que ser revisto pela equipe durante esta tarde porque ainda não foi identificado o lugar de origem.

“Encontramos a água escoando, mas ainda não sabemos onde é o ponto de lançamento. Estamos juntando esforços das secretarias para continuarmos com a fiscalização até o final de fevereiro”, disse a representante da Semurb, órgão que realiza periodicamente vistorias assim, mas lançou a operação ao perceber que Ponta Negra é um dos principais destinos dos veranistas em Natal.

Com o aumento do número de pessoas e consequente uso de água na região, aumenta também a quantidade de resíduos jogados nos esgotos. Se houver ligações clandestinas, aumenta o risco de vasamento de resíduos no mar, alterando sua balneabilidade.

.: Último tremor de terra ocorrido no RN foi maior que o divulgado

NOMINUTO.COM – 13/jan/2010
Repórter: Melina França

Abalo sísmico ocorrido no Rio Grande do Norte na última segunda-feira (11) teve magnitude de 4,2 pontos na escala Richter.

O tremor de terra no Rio Grande do Norte, ocorrido na ultima segunda-feira (11), teve magnitude maior que a prevista – 4,2 pontos na escala Richter, e não os 3,8 pontos divulgados no dia do abalo.

A escala foi anunciada na manhã desta quarta-feira (13) pelos professores do Laboratório de Sismologia da UFRN. De acordo com Aderson Farias, um dos pesquisadores, “a primeira medida foi preliminar, porque ainda não tínhamos feito um estudo mais aprofundado”.

Os professores se encontram a caminho de Curral Preto e Poço Branco, onde vão instalar dois sismógrafos. Até então, a área não tinha um monitoramento mais específico. A estação que dava assistência à região do Mato Grande, onde ocorreu o tremor, era a de Riachuelo.

O abalo sísmico teve como epicentro a comunidade de Jerusalém, situada entre os municípios de Poço Branco e Taipu. O foco do tremor foi na ordem de 10km de profundidade, uma vez que foi sentido em uma grande área. O tremor teve efeito ainda na Paraíba e em Pernambuco.

>>> Comentário pertinente: O que antes era motivo de chacota em reuniões, encontros e Audiências Públicas sobre o projeto de implantação do Emissário Submarino da Barreira do Inferno, agora virou fato: a Caern não considerou a possibilidade de terremotos no litoral e, por isso, não há plano de emergência para remediar qualquer problema/falha que possa ser apresentado no emissário. Ou seja, é impossível permitir a construção de um cano de esgoto no mar sem segurança.

.: Entupimento em lagoa de tratamento causa transbordamento de esgoto na Rota do Sol

TRIBUNA DO NORTE – 4/jan/2010
Repórter: Priscilla Castro

Foto: Joana Lima

Transbordamento causou transtornos aos motoristas

Os motoristas que precisaram trafegar pela Rota do Sol na madrugada e manhã da segunda-feira (4) enfrentaram mau cheiro e água suja. Um problema na rede interna das bombas da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do bairro de Ponta Negra fez com que os efluentes da Estação começassem a transbordar para a via por volta da meia noite de ontem.

Os dois lados da pista estavam molhados e o sentido Natal/Cotovelo estava inundado. Em um trecho de cerca de dez metros da via, logo após a entrada para o bairro de Cidade Verde, os carros eram obrigador a diminuir a velocidade para poderem passar, o que aumentava a probabilidade de congestionamento, já que nessa época do ano o fluxo de veículos aumenta consideravelmente no local.

No início da tarde, as bombas ainda estavam sendo consertadas pela Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern). “Isso não é comum, mas aconteceu e essa época do ano, que é de veraneio, vem muita gente para as pousadas de Ponta Negra, e a demanda fica maior, então o fluxo aqui na Estação aumenta. O normal é que a vazão seja de 500 mil litros por hora, estamos com mais de 600”, disse o responsável pela manutenção da ETE, Francisco Sales.

Ele explicou ainda que as chuvas que caíram sobre a cidade no último domingo nada tiveram a ver com o transbordamento. “As chuvas só fazem transbordar quando são muito fortes mesmo, senão não influenciam não”, garantiu ele. Em nota divulgada à imprensa na tarde de ontem, a assessoria de imprensa da Caern informou que o motivo para o transbordamento da ETE foi o entupimento de um dos extravasores provocado por uma sacola de lixo jogada pela população. A expectativa é de que os efluentes estejam totalmente escoados até a manhã desta terça-feira (5).

Segundo o gerente da Regional Natal Sul, Lamarcos Teixeira, a Caern mantém um profissional 24h na Estação, mas por ser uma área é muito grande, não há como impedir que alguém lance algum tipo de resíduo sólido (lixo). Ele explicou que são os extravasores que controlam o escoamento do esgoto tratado, controlando o nível da água e impedindo que haja transbordamentos. “O problema é que este saco de lixo jogado indevidamente obstruiu o ramal da lateral da lagoa, sobrecarregando o outro extravasor, que fica às margens da Rota do Sol, provocando o incidente”.