Archive for the ‘resistência da lata’ Category

BIZACO DA VILA – Festa de São João dias 19 e 20 de junho

Em busca de mais tradição na Vila
Quem foi que disse que São João é só pra comer canjica e dançar forró? O Bizaco da Vila é uma festa múltipla que vai agitar a Vila de Ponta Negra, neste sábado e domingo, com uma festa de Saõ João recheada de cultura, folguedos e religiosidade. O evento acontece no pátio da igreja de São João Batista, com início marcado para às 18h e término programado para 0h.
As atrações englobam grupos tradicionais e folguedos da cultura popular característicos do período junino, como Pastoril, Congos de Calçola, Roda de Coco do Mestre Severino, Lapinha e Bambelô, além de artistas convidados.
O evento é uma promoção do Projeto “Encantos da Vila”, composto por professores e bolsistas do departamento de artes da UFRN.
[clique na imagem para ampliar]

O projeto atua na comunidade há 8 anos, coordenado pela professora Theodora Alves e agrega os grupos e expressões folclóricas e não folclóricas da comunidade.
Além da participação dos grupos folclóricos, o evento contará com a participação de artistas convidados como a Orquestra Xilofônica do Sesc Zona Sul, o grupo Batucada de Itaipu-RN, o grupo de Linguagem da Percussão, o Folia de Rua, o cantor Carlos Bem e alunos do curso de percussão e violão do Instituto de Música Waldemar de Almeida.
A noite conta ainda com barraca de comidas típicas, mostra de córdeis, brincadeiras antigas (balaio e bingo…) e exposição fotográfica de Rodrigo Sena e Alex Régis, que apresentam em suas imagens um olhar sobre o tema. Entre 19h30 e 20h30 a pausa para a programação religiosa da festa.
O evento é aberto ao público.
Anúncios

.: Associação não quer ‘emissário’

TRIBUNA DO NORTE – 15/nov/2009
Foto: Júnior Santos

Um abraço simbólico no mar. Essa foi a forma que a Associação dos Moradores, Empresários e Amigos de Ponta Negra (AME-Ponta Negra) encontrou para protestar contra o emissário submarino que a Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte pretende implantar na praia mais famosa de Natal.
Surfistas e frequentadores da praia se reúnem para um abraço simbólico no marNa manhã de ontem, surfistas, empresários e frequentadores da praia se reuniram para mostrar a insatisfação com o projeto da Caern. “Esse tipo de obra é arcaica. Hoje em dia ninguém mais utiliza emissários. O correto seria a reutilização dessa água em uma série de setores como indústria e jardinagem, por exemplo”, disse o presidente da AME-Ponta Negra, Eduardo Bangoli.
Ainda segundo Eduardo, a Caern poderia construir um aqueduto, que seria uma espécie de submarino ao contrário. Ele explicou ainda, que o tipo de tratamento sugerido pela Caern não será suficiente para tirar todas as impurezas.
“Os dados apresentados pela Caern não são confiáveis. O emissário é totalmente inseguro porque o tratamento secundário não retira todas as impurezas, ou seja, vão jogar água suja no mar e acabar poluindo ainda mais o oceano”, justificou Bangnoli.
O bugueiro Atamir Trajano também é contra o emissário. “Nós temos exemplos concretos de que esse emissário não é viável. Boa parte das praias urbanas de Fortaleza e Maceió está imprópria para banho em virtude dos dejetos lançados pelos emissários. Não queremos que Natal fique assim”, disse o bugueiro.
Para o presidente da AME, o emissário submarino é o tiro de misericórdia que falta para acabar com o turismo em Natal.
Para finalizar a movimento, a Associação colocou uma faixa de 30 metros em cima do Morro do Careca, com a frese: ‘QUE EMISSÁRIO É ESSE?’. As crianças e os adolescentes do projeto Pau e Lata, da Vila de Ponta Negra também fizeram uma apresentação no local.

Emissário

Para a Caern, a melhor opção para resolver o problema de saneamento em Ponta Negra é o emissário submarino longo, de 2.732 metros, sendo 2.600 de emissário submarino e 132 metros de rede difusora. O tratamento denominado do tipo secundário terá lagoas de polimento e filtros para retenção de algas.
Somente após o tratamento, o esgoto será lançado no emissário que terá dois trechos distintos. A parte terrestre com 3.500 metros, será construída dentro da área da Barreira do Inferno e toda ela será enterrada. A parte marítima terá 2.732 metros a partir da zona da praia.
A promessa da Caern é de implantar o emissário depois de discutir todo o processo com a população e o Ministério Público. Para isso o projeto estará disponível no Idema e na própria Caern. A primeira audiência pública foi marcada para o dia 28 de dezembro (segunda-feira).
>>> Comentário pertinente: Antes Antes da Audiência marcada pela Caern, teremos no próximo dia 19/nov, às 9h30, na Assembléia Legislativa, uma Audiência Pública sobre o caso do Emissário Submarino. Participem!

.: Que emissário é esse? – por Canindé Soares

[Fotos de Canindé Soares – clique nas imagens para ampliar]

CANINDESOARES.COM – 14/nov/2009

Sábado, dia 14, pela manhã na praia de Ponta Negra as Ongs AMEPONTANEGRA, SOS Ponta Negra, Filhos de Ponta, ASPOAN, Surfistas de Cristo, grupo de percussão Resistência da Lata, amigos, freqüentadores e moradores da Natal limpa, organizaram e participaram de um protesto contra a construção do emissário submarino da CAERN, obra que levará para o alto mar os dejetos orgânicos de Ponta Negra, Capim Macio e Parnamirim.

Enquanto uma faixa enorme era colocada no topo do morro do careca com a frase “Que emissário é esse?”, surfistas entravam no mar para um abraço simbólico.

[Fotos de Canindé Soares – clique nas imagens para ampliar]

.: Querem apodrecer Ponta Negra!!!

[foto: Eduardo Bagnoli]

DeSaboya.com – 15/nov/2009

A cidade, ontem, assistiu a uma manifestação daquelas bem indignadas, responsáveis, gritos sem fim! Tem cabimento o governo querer fazer dos mares de Ponta Negra um esgoto?!
Sim! Sim!
E ontem, surfistas, batedores de lata, gente que ama Natal apareceu. Hum… eco-terroristas atacam o Morro do Careca?! Peraí! Não seriam eles os eco-conscientes? Na faixa que escorreu pelo tão sofrido Morro do Careca… “Que Emissário é esse?”.
Foi um dia de gritos e bastas. De amor por Natal!
Só senti falta de uns xiitas, que foram gritar contra a construção civil, certa vez, dali. Quer dizer que coco pode, prédios não!!
O que vale é que a população está se movimentando. Para um basta nessa ideia de jerico.
>>> Comentário pertinente: Primeiro queremos agradecer ao jornalista Chrystian de Saboya pela atenção e apoio à causa (que é de todos nós!); segundo que precisamos corrigir uma pequena informação: o mesmo grupo que lutou contra a construção dos cinco prédios de 15 andares ao lado do Morro do Careca também protagonizaram o Abraço deste sábado (14), e, diga-se de passagem, não nos consideramos xiitas por querermos garantir a paisagem do principal cartão postal da cidade e nossa própria qualidade de vida.